Publié par fara

 

0-99e101aa-ab9a-46ea-b01d-d154fafbadfd.jpg
Luanda - A obra “Simão Toco a Trajectória de um Homem de Paz” da autoria de Joaquim Albino Kisela foi lançada e comercializada hoje, sábado, nas instalações da Catedral da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo, em Luanda.
 
O acto está inserido na jornada comemorativa do 95º aniversário do nascimento do Profeta Simão Toco que se assinala no dia 24 do corrente mês.
 
Joaquim Albino Kisela, em declarações à Angop, afirmou que este ensaio constitui uma biografia que pode mostrar o outro lado da figura do profeta Simão Gonçalves Toco, nas suas variadíssimas dimensões.
 
“Esta investigação pode ser uma grande ajuda para se perceber este lado especial do profeta Simão Toco na sua missão evangelizadora, uma vez que foi um homem que sempre se preocupou com questões relacionadas com o bem-estar dos homens e um dos seus pontos fulcrais foi o alcance da paz”, realçou.
 
O interlocutor referiu que a obra levou cerca de 15 anos a ser produzida, tendo iniciado na década de 1990 e conclui-la em 2005, sendo a maioria dos artigos investigado em Portugal onde se encontravam muitos dos escritos do Profeta Simão Toco.
 
O ensaio de 314 páginas está a ser comercializado ao preço de três mil Kwanzas e o mesmo pode ser adquirido a partir de segunda-feira nas diversas livraras existentes no país.
 
A obra narra e descreve a vida do Profeta Simão Gonçalves Toco desde o seu nascimento ate ao seu desaparecimento físico, com realce e para a sua personalidade como homem de paz como o próprio se intitula em um dos seus escrito.
 
Na contra capa do ensaio pode-se ler um dos escritos do Profeta Simão Gonçalves Toco em que afirma “ sejamos só irmãos. Esta é a Lei que Jesus Cristo deixou. Nunca falei uma palavra que não fosse de paz, mas não se deve honrar mais a criatura que o criador.
 
Digo aquilo em que acredito, mas não forço ninguém a ouvir-me. Sejamos todos católicos, protestantes, tocoistas, adventistas e até mesmo ateus no fim de cada um recebe a recompensa da sua obra, do bem ou do mal que faz”.
                            
                                                                                                                                              
                                                                                                                                                            Angop



Pour être informé des derniers articles, inscrivez vous :

Commenter cet article