Publié par fara

 

20130313100544luc ng1

 

Os ex-militares do antigo Exército de Libertação Nacional (ELNA), braço armado da  FNLA, poderão, em breve, ser inclusos na Caixa de Segurança Social das FAA, na qual já estão os antigos combatentes das FAPLA e da FLEC - Frente de Libertação do Enclave de Cabinda.

O assunto esteve no centro das conversações entre o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, e o líder da FNLA, Lucas Ngonda, cuja audiência foi realizada na terça-feira no Palácio da Cidade Alta, em Luanda.

À saída do encontro, Lucas Ngonda disse à imprensa que a audiência serviu para abordar questões ligadas à vida política no país, ao processo de consolidação da democracia e à situação dos antigos combatentes da FNLA.

“A FNLA é um dos partidos que combateram durante a Luta de Libertação Nacional e que dispõe de milhares de antigos combatentes sem nenhuma situação. Alguns vão morrendo sem pensão, não têm declaração”, disse Lucas Ngonda, acrescentando que o Chefe de Estado ouviu e tomou nota sobre os aspectos relacionados com a situação dos ex-militares, na altura, movimento armado de libertação, muitos deles vivendo sem pensão da Caixa de Segurança Social e outros sem promoção como reservistas.

O mandatário dos ‘irmãos’ informou, igualmente, que, além de ter tomado nota sobre as referidas questões, o Presidente da Repú-blica prometeu agir rapidamente junto dos organismos afins, para solucionar a situação.


640px-Bandeira da FNLA.svg
A FNLA é a única força política que, apesar de ter lutado pela Independência Nacional, os seus militares não usufruem de pensão.

A reivindicação não é nova. Em 2002, deu-se a entrada de uma petição que reclamava “o direito dos ex-militares, mas, passados mais de 10 anos, a situação nunca foi discutida seriamente, a ponto de ser levada em consideração. Na altura, alegava-se que, na lista apresentada pelo partido, a maioria auto-intitula como general. “ Isto a ser aceite one-
raria o Estado em prejuízo de outras rubricas”, disse uma fonte militar junto dos quadros.

Em Fevereiro de 2011, o secretário de Estado para os Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Clemente Cunjuca, garantiu, em Luanda, que os ex-militares da ELNA, desmobilizados em 1992, gozam dos mesmos direitos enquanto beneficiários de pensões da Caixa Social das FAA.

 

Via Agora.