Publié par fara

Técnicos cubanos formam bibliotecários

Vitorino Joaquim

Mais de metade de um grupo de 51 Jovens que frequentavam o curso de bibliotecários na Unidade Técnica de Gestão da Rede de Mediatecas de Angola concluíram com êxito a formação, ministrada por especialistas do Instituto de Formação Cientifica e Tecnológica de Cuba.

Durante 14 semanas, os jovens aprenderam técnicas que lhes vão permitir tratar informações e torná-las acessíveis aos utilizadores finais, independentemente do tipo de suporte utilizado. A iniciativa enquadra-se num programa de formação destinado a formar jovens para trabalherem nas diferentes mediatecas do país.


Por iniciativa do Executivo, foi criada a Rede de Mediatecas de Angola, no âmbito do qual são criadas mediatecas em diversos pontos do país, com vista a incrementar os níveis de formação das comunidades.


Na cidade de Luanda já foram erguidas mediatecas em todos os distritos e municípios, o que tem facilitado os trabalhos de estudantes e do público. As mediatecas têm as funções das tradicionais bibliotecas, às quais são acrescentados novos suportes de armazenamento de informação e novas tecnologias de comunicação e obtenção de dados.


A formação de novos bibliotecários resulta de um estudo das necessidades de cada uma das mediatecas, segundo a sua localização e futuros utilizadores. No acto de encerramento do curso, Secretário de Estado das Tecncologias de Informação e coordenador do Programa da Unidade Técnica de Gestão da Rede de Mediatecas de Angola, Pedro Teta, disse que as unidades criadas são procuradas por pessoas de todas as camadas sociais, cujas exigências os bibliotecários devem estar à altura de satisfazer.
“Estamos a viver um momento de mudanças intensas, que influenciam os ambientes tecnológico e organizacional e é possível perceber, através dessas transformações, a emergência de novos métodos e relações de trabalho, de novas formas de organização empresarial, de propostas educacionais diferenciadas e novas formas de comunicação”, disse Pedro Teta.


Neste cenário, disse o Secretário de Estado das Tecnologias de Informação, um dos maiores desafios é, sem dúvida, começar a marcha para o primeiro emprego ou recomeçar um desafio profissional.


Pedro Teta disse ser intenção do Executivo criar, a partir deste projecto, um instrumento de aperfeiçoamento dos conhecimentos dos cidadãos.


“E a formação de bibliotecários tem como base os princípios orientadores das directrizes do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na concretização deste objectivo”, sublinhou Pedro Teta.


A directora-geral da Rede de Mediatecas de Angola, Catarina Cardoso, lembrou que as unidades têm como missão ajudar as comunidades a elevar os seus conhecimentos.


“Sabemos das dificuldades que encontramos no decurso desta formação e temos a consciência de que não ha benefícios sem sacrifícios, pois só a determinação permite alcançar os resultados pretendidos no futuro”, frisou a directora.


Aos jovens cujo aproveitamento durante o curso não lhes permite exercer as funções de bibliotecários, a directora-geral da Rede de Mediatecas de Angola pediu para não desistirem do projecto, porque vão ter novas oportunidades.


Aos novos bibliotecários formados, a directrora Catarina Cardoso desejou êxitos e lembrou que “o que fazemos hoje determina o nosso futuro amanhã”. Os 30 novos bibliotecários de um grupo inicial de 51, foram enquadrados na Mediateca do Município do Cazenga, em Luanda.

Via JA

Pour être informé des derniers articles, inscrivez vous :

Commenter cet article