Publié par fara

Mercado de arte africana em alta

Só uma máscara foi vendida por 4,4 milhões de dólares e a reputada leiloeira britânica, Sothebys em França, atingiu assim um recorde de vendas no ano passado: 30,9 milhões de dólares apenas com a arte Africana e da Oceânia.

Segundo foi anunciado esta segunda-feira, 12, a Feira de Arte Contemporânea Africana chega pela primeira vez a Nova Iorque de 15 a 17 de Maio próximo. Depois de duas edições bem-sucedidas em Londres e fundada pelo marroquino Touria El Glaoui, a feira realizou- se pela primeira vez em Londres, em 2013 na Somerset House.

Agora, esta nova edição em terras do Tio Sam vem, de alguma forma, confirmar que o mercado global está a começar a interessar-se realmente pela arte Africana. Durante o mês de Dezembro passado, a Sothebys França alcançou um recorde de vendas de 14,26 milhões de dólares e adicionando as vendas durante de todos os meses de 2014, chegou-se ao montante, também recorde, de 30,9 milhões de dólares.

No último leilão do ano, a máscara Muminia Lega, uma obra nunca antes vista foi licitada por 4,4 milhões de dólares, o segundo valor mais alto pago alguma vez na história por uma máscara africana. Todos os anos, a arte africana gera milhões de dólares em leilões por todo o mundo, mantendo os coleccionadores atentos, numa corrida efervescente contra os museus. Desde pinturas abstractas a esculturas de madeira, a procura dispara sempre que surge arte primitiva africana ou obras com uma narrativa histórico-social.

Em Novembro passado a colecção de arte africana do ambicioso coleccionador Myron Kunin, vendeu de uma assentada 41,6 milhões de dólares na Sothebys em Nova Iorque. A obra que determinou o destacado preço de toda a colecção foi uma escultura raríssima, a estátua feminina do grupo etnolinguístico Senufo que estabeleceu um novo recorde de valor pago por obra africana ao ser comercializada por 12 milhões de dólares.

A obra costa-marfinense foi esculpida por um artista conhecido como um mestre de Sikasso e é apenas uma das cinco figuras Senufo existentes.

O Professor

Em 2005, uma obra intitulada The Teacher de Marlene Dumas, um retrato proibido tirado numa sala de aula durante a sua infância na África do Sul, foi vendido por 3,3 milhões de dólares. A obra provocadora expõe de forma clara o ambiente político que a rodeava na altura - a artista sexagenária foi educada durante o Apartheid.

Construção do Canal Suez

A construção do Canal de Suez é uma obra-prima da aguarela e guache criado por Abdul Hadi El- -Gazzar, uma das figuras mais importantes do movimento de arte moderna egípcia. A aguarela foi executada em 1965 e foi vendida por um milhão de dólares no leilão da Christies no Dubai também no ano passado.

A menida de Bahora

Em 2010, a menina de Bahora, umapintura da artista sul-africana, Irma Stern, foi vendida por 3,59 milhões dólares pela casa de leilões Bonhams, em Londres. A pintura é do tempo em que Stern esteve em Zanzibar, onde foi fortemente afectada pela beleza das mulheres locais. Esta foi uma das muitas das suas peças caras, inspiradas a partir destas viagens.

Em 2011, a pintura de Stern intitulada Dois Árabes atingiu o preço mais alto de sempre de um quadro vendido na África do Sul, foi vendido por 1,8 milhões de dólares. Em 2012, outra pintura sua, um distinto homem árabe de Omã, cujo título é Árabe, foi vendido por 1,46 milhões dólares.

Máscara Fang Ngil

Em 2006, uma máscara do século XIX de celebração, originária do povo gabonês Fang foi licitada por mais de 7,5 milhões de dólares num leilão em Paris. O Ngil (por vezes referido como a máscara do gorila) eram máscaras usadas pelos homens com o mesmo nome durante a iniciação de novos membros e da perseguição de falsos executores.

A máscara que se diz ter inspirado artista Pablo Picasso, subiu quatro vezes o seu preço estimado de 1,9 milhões de dólares.

Estátua Fang Mabea

Em 2014, uma estátua original Fang Mabea produzida nos Camarões no início do século XIX tornou- -se uma das mais valiosas peças de arte etnográfica, alguma vez vendidas. O lote foi vendido por 5.17 milhões de dólares. A estátua era propriedade de Felix Feneon e Jacques Kerchache, dois importantes coleccionadores e críticos que lutaram por um maior reconhecimento da arte Africana da Europa.

Retopistics: A Renegade Excavation (2001)

Vendida por 4,6 milhões dólares na Christie Nova Iorque em 2013, esta pintura é de Julie Mehretu, um artista etíope mais conhecida pelas suas pinturas abstractas apresentadas em densas camadas. Apesar de passar a maior parte da sua vida nos Estados Unidos, Mehretu manteve laços com o continente africano.

Les Chadoufs

Em 2010 Les Chadoufs, uma pintura de Mahmoud Said, uma poderosa metáfora do renascimento egípcio, vendida por dois milhões de dólares, tornando-se a obra mais cara de um artista árabe a ser leiloado pela Christies no Dubai.

Reliquaire Nkundu Em 2012, uma escultura Africana de madeira da Mbandaka, região noroeste da República Democrática do Congo vendida por 3,5 milhões de dólares na casa de leilões da Christies em Paris. A peça foi uma das esculturas-chave da famosa colecção do pintor belga, Jean Willy Mestach por quase 60 anos.

Via NJ

Pour être informé des derniers articles, inscrivez vous :

Commenter cet article